Esse blog. . .

é destinado aos amantes de peixes e aquários. Contém informações sobre comportamento, doenças, alimentação e cuidados especiais com diferentes espécies de PEIXES.

.

.

Montando Seu Aquário

A montagem de um aquário deve ser feita em etapas. A primeira e mais importante, muitas vezes negligenciada, é o planejamento.

1- Planejamento
O planejamento para se montar um aquário envolve inúmeras vertentes. Dessa forma, para que tudo saia o mais próximo possível do planejado, e surpresas sejam evitadas cada parte do planejamento deve ser feita cuidadosamente antes de o projeto tomar forma.

Planejamento financeiro.
Montar um aquário pode envolver investimentos de grandeza extremamente variável. O que irá depender do tamanho do aquário, estilo de montagem, fauna, flora, parâmetros da água encanada da residência, filtragem, variação de temperatura e mais.

Planejamento espacial.
A montagem de um aquário pode envolver alterações espaciais em um ambiente, seja ao acomodá - lo em uma escrivaninha ou construir um móvel de alvenaria de 4m na sala da casa.

Planejamento prático.
É como eu gosto de chamar o estudo prévio sobre as condições necessárias à fauna e flora do aquário e compatibilidade entre as mesmas. Essa parte do planejamento, simultaneamente, influencia e depende do planejamento financeiro, pois ela envolve considerações sobre a qualidade de filtragem, e o tamanho de tanque necessários à fauna, condições necessárias para a flora e compatibilidade entre todos os seres do aquário. Essa etapa envolve muita pesquisa sobre parâmetros, comportamento, particularidades e características gerais dos habitantes de aquário e, quando bem feita, torna o projeto muito mais simples e funcional.


2- Montagem
A montagem é realmente simples, depois de feitas as pesquisas e adquiridos os materiais necessários, basta montar o aquário e todos os equipamentos (instalação e regulagem de aquecedores, luminárias, filtros, bombas de circulação etc.). O ideal é que a montagem ocorra apenas após a aquisição de todos os materiais essenciais ao funcionamento do tanque, muitos iniciantes pecam ao montar um aquário antes de a filtragem ou circulação estarem completas, por exemplo.

3- Ciclagem
A ciclagem pode ser um dos momentos mais difíceis de uma nova montagem, especialmente para aquaristas ansiosos. A ciclagem, envolvendo ou não aceleradores de biologia, envolve paciência. A ciclagem é um período de repouso, no qual o aquário permanece sem nenhum peixe, ou em alguns casos apenas com peixes da "equipe de limpeza" ou ainda apenas com peixes que permaneçam no tanque apenas durante o processo de ciclagem e não são considerados habitantes do aquário. Isso irá variar de acordo com o tipo de montagem pretendida. O tempo da ciclagem também irá depender da montagem pretendida, a ciclagem pode durar de 30 a 180 dias.

4- Colocação dos animais
A colocação dos animais no aquário, sejam répteis, anfíbios, peixes, moluscos, ou crustáceos, deve ser feita de forma gradual, para evitar sobre carga das colônias de bactéria do tanque, o que poderia culminar em picos de amônia e nitrito tóxicos. Assim como na ciclagem, todos os parâmetros da água devem ser constantemente medidos e corrigidos caso seja necessário.

5- Maturação
A maturação do aquário também ocorre com o tempo, dependendo do tipo de montagem ela pode ocorrer em um período de tempo maior ou menor, e ainda pode ocorrer antes ou após a inserção de toda a fauna e flora. Contudo, via de regra, aquários maturam entre 6 e 18 meses, dependendo de inúmeras variáveis de cada montagem.

Manutenção do aquário!

1-Meça o ph da água ao menos uma vez a cada duas semanas e corríja-o se necessário.

2-acompanhe a saúde dos peixes para usar do medicamento correto se necessário.

3-trocar a água parcial e periodicamente.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Gouramis (Trichopsis sp.)

Trichopsis pumilis (Sparkling gourami)

T. schalleri (Three stripes gourami)

T. vittata (Croacking gourami)

Origem: Ásia
Comprimento máximo: 6 a 7cm
Reprodução: ovíparo. Faz ninho de bolhas, protege as larvas nadarem sozinhas
PH: 6,0 a 7,5
Temperatura: 22°C a 28°C
Aquário: pequeno com plantas e refúgios
Comportamento: pacífico. Machos da mesma espécie podem disputar fêmeas e territórios, mas não costumam ser muito agressivos, apenas durante a proteção do ninho. Podem ser bastante tímidos

Congochromis sp.

Congochromis dimidiatus

C. sabinae

Origem: África (Bacia do congo)
Comprimento máximo: 7 a 8cm
Reprodução: ovíparo. Desova em tocas ou entre estruturas submersas e cuida da prole
PH: 4,0 a 5,0
Temperatura: 24°C a 27°C
Aquário: pequeno a médio com plantas e refúgios
Comportamento: territorial e agressivo. Especialmente agressivo durante o período reprodutivo. Pode ser bastante tímido.

Nanochromis sp.

Nanochromis consortus

N. parilus

N. esplendens

N. teugelsi

N. transvestitus 

Origem: África (Bacia do Congo)
Comprimento máximo: 5 a 6cm
Reprodução: ovíparo. Desova em tocas, ou entre outras estruturas submersas e cuida da prole
PH: 6,0 a 7,0
Temperatura: 24°C a 27°C
Aquário: pequeno a médio, com plantas e refúgios
Comportamento: territorial e agressivo. Especialmente agressivo durante o período reprodutivo. Pode ser consideravelmente tímido.

Spike Tail Paradise Fish (Pseudosphromenus sp.)

Pseudosphromenus cupanus

P. dayi

Origem: Ásia
Comprimento máximo: 7  a  8cm
Reprodução: ovíparo. Faz ninho de bolhas em tocas e o macho cuidas das crias por curto período de tempo
PH: 6,0 a 7,5
Temperatura: 20°C a 28°C
Aquário: pequeno com plantas e refúgios
Comportamento: pacífico. Machos podem disputar territórios ou fêmeas. Não costumam ser excessivamente agressivos, exceto quando defendem seu ninho. Podem ser consideravelmente tímidos.

Retroculus sp.


Retroculus lapidifer

R. xinguensis


R. sepentrionalis


R. acherontos

Origem: América do sul (Bacia Amazônica e Tocantins-Araguaia) 
Comprimento máximo: 25cm
Reprodução: ovíparo. Desova em troncos ou pedras e cuida da prole
PH: 6,0 a 7,5
Temperatura: 26°C a 32°C
Aquário: médio a grande com refúgios e estruturas
Comportamento: não costumam definir territórios muito claramente, apenas durante o período reprodutivo. Podem ser bastante agressivos com outros peixes, principalmente, com ciclídeos do grupo dos "papa-terras". Normalmente machos performam displays impressionantes durante suas disputas.

Torpedinho (Taeniacara candidi)

Origem: Brasil (Tapajós, Rio Negro e Amazonas)
Comprimento máximo: 5,5cm
Reprodução: ovíparo. Desova entre folhas ou em tocas e cuida da prole
PH: 4,5 a 6,2
Temperatura: 25°C a 29°C

Aquário: pequenos, com plantas, e refúgios
Comportamento: territorial e ligeiramente agressivo. Machos podem ser especialmente agressivos entre si e o casal se torna mais agressivo durante o período reprodutivo. Pode ser bastante tímido. 

domingo, 18 de dezembro de 2016

Peixe Sapo de Água Doce (Peixes Escorpião de Água Doce)

Allenbatrachus grunniens (Peixe Sapo)

Origem: Ásia (Myamar, Tailândia, Malásia, Bangladesh)
Comprimento máximo: 30cm
Reprodução: ovíparo
PH: 7,5 a 9,0 vivem comumente em água doce ou salobra
Temperatura: 20°C a 28°C 
Aquário: médio.
Comportamento: Passa bastante tempo repousando sobre o substrato. Predador de emboscada voraz

Batrachomoeus trispinosus (Peixe Sapo de Três Espinhos)

Origem: Oceania e Ásia
Comprimento máximo: 30cm 
Reprodução: ovíparo
PH: 7,5 a 9,0 vivem comumente em água doce ou salobra
Temperatura: 22°C a 28°C
Aquário: médio
Comportamento: passa bastante tempo repousando no fundo. Predador de emboscada voraz

Threadfin fish (Iriatherina werneri)



Macho


Fêmea

Origem: Ásia e Ocenia
Comprimento máximo: 5cm
Reprodução: ovíparo. Disseminador livre que prefere desovar entre a vegetação
PH: 5,0 a 8,0
Temperatura: 22°C a 29°C
Aquário: pequeno bem plantado
Comportamento: pacífico, cardumeiro e tímido. Machos se exibem para as fêmeas e para outros machos a fim de atrais a atenção de parceiras 

Acará Zebra (Ivanacara adoketa)



Origem: América do Sul (Amazonas)
Comprimento máximo: 13cm
Reprodução: ovíparo. Desova em tocas, folhas largas, pedras ou troncos e cuida da prole
PH: 4,0 a 6,5
Temperatura: 25°C a 29°C 
Aquário: pequeno com plantas e refúgios
Comportamento: territorial e relativamente pacífico. Como todo ciclídeo anão, costumam ser agressivos com outros indivíduos da mesma espécie e se torna mais agressivo durante o período reprodutivo

Kanna (Amatitlania sp. kanna)



Origem: América central
Comprimento máximo: 15cm
Reprodução: ovíparo. Desova em pedras ou troncos e cuidam da prole
PH: 7,0 a 8,0
Temperatura: 23°C a 28°C
Aquário: pequeno a médio com refúgios, pedras e troncos
Comportamento: territorial e agressivo

Laetacara sp.

Laetacara araguaiae

L. curviceps

L. dorsigera

L. flavilabris

L. fulvipinnis

L. thayeri

Origem: América do Sul
Comprimento máximo: 4 a 12cm
Reprodução: ovíparo. Desova em tocas, troncos, pedras ou folhas largas e cuidam da prole
PH: 5,0 a 7,0
Temperatura: 24°C a 29°C
Aquário: pequeno com plantas e refúgios
Comportamento: territorial a relativamente pacífico. Se torna mais agressivo durante o período reprodutivo

Microctenopoma sp.

Microctenopoma ansorgii

M. congicum

M. damasi

M. fasciolatum

M. nanum

Origem: África (Bacia do Congo)
Comprimento máximo: 5 a 8cm
Reprodução: ovíparo. Faz ninho de bolhas em meio à vegetação. O cuidado parental cessa após a eclosão dos ovos
PH: 5,5 a 7,5
Temperatura: 20°C a 28°C
Aquário: pequeno com plantas e refúgios
Comportamento: são tímidos, pacíficos e nadam lentamente. Machos são agressivos entre si, especialmente durante o período reprodutivo.

Cryptoheros myrnae

Origem: América Central
Comprimento máximo: 10cm
Reprodução: ovíparo. Desova em pedras, troncos ou tocas e cuida da prole
PH: 7,0 a 8,5
Temperatura: 23°C a 28°C
Aquário: pequeno com refúgios
Comportamento: territorial e agressivo